Notícias

AstraZeneca anuncia avanço em novo tratamento que reduz em 77% risco de Covid-19 sintomática

O estudo teve mais de 5 mil voluntários divididos entre os EUA, Bélgica, França, Reino Unido e Espanha


20/08/2021


CORONAVÍRUS

#EnergiaNews


(Foto: Divulgação)


Nesta sexta-feira (20), o grupo farmacêutico anglo-sueco AstraZeneca anunciou os resultados promissores de um tratamento contra a Covid-19 que permite de forma significativa o risco de desenvolver uma forma sintomática do vírus em pacientes com condições vulneráveis.

Esse tratamento com anticorpos (AZD7442)) não havia apresentado eficácia em pessoas já expostas ao vírus. Mas, ao administrá-lo em um paciente antes do contato com o vírus, os resultados foram apresentados, explica a AstraZeneca em um comunicado oficial.

Neste caso, se reduz em 77% o risco de desenvolver uma forma sintomática, conforme os dados da fase 3 mostram, na qual corresponde a testes clínicos em grande escala projetados para medir sua segurança e eficácia. A AstraZeneca afirma, inclusive, que não houve casos graves de Covid-19 ou morte.

Os testes foram feitos na Espanha, na França, Bélgica, Reino Unido e nos Estados Unidos, contou com 5.197 voluntários. Dessa leva, 75% dos participantes apresentavam comorbidades. 

"Com esses resultados tremendos, o AZD7442 pode ser uma ferramenta importante no nosso arsenal para ajudar as pessoas que possam precisar de mais do que uma vacina para recuperar uma vida normal", afirmou Myron Levin, professor da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, responsável pelo estudo.

"Precisamos de outras abordagens para pessoas que não estão bem protegidas pelas vacinas anticovid-19", acrescentou Mene Pangalos, um alto funcionário da farmacêutica, que garantiu divulgar dados adicionais sobre os testes até o final deste ano.


(Foto: Divulgação)


A AstraZeneca específica que enviará um pedido às autoridades sanitárias para obter sua aprovação para uso emergencial, ou uma validação nas condições do tratamento, cujo desenvolvimento é financiado pelo governo americano.

Vale destacar que a AstraZeneca foi uma das primeiras a valida sua vacina anti-Covid. De inicio, a vacina gerou dúvidas, devido os casos raros de coágulos sanguíneos e efeitos colaterais, o que levou a alguns países limitarem sua aplicação.



POR: Tamiris Felix 





+LEIA TAMBÉM: Covid-19: CoronaVac é eficaz contra casos graves da cepa Delta, diz estudo

+LEIA TAMBÉM: Anvisa autoriza estudo para 3ª dose da vacina da AstraZeneca

+LEIA TAMBÉM: Christopher von Uckermann critica uso da imagem do RBD para campanha vacinal contra a Covid-19

+LEIA TAMBÉM: Vacina contra a Covid-19 da Pfizer não precisa de ajuste para variantes, afirma BioNTech





Navio da Véia
Festa da Véia
Estádio 97
Energia na Véia
(11) 96650-7997
App Android
App iOS

Desenvolvimento
Hospedagem e
Streaming